Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Enfermeira ME

Enfermeira ME

Inspeção de saúde

Depois de 622 dias onde colocamos 332 artigos para reflexão, decidimos de forma unânime acabar. Tudo tem princípio e fim. Depois de 51 650 vistas e de 1264 comentários, sentimos que contribuímos de forma coerente e positiva para algum desenvolvimento da NOSSA Enfermagem. Fizemos história!

 

Apoiados por muitos, criticados por imensos, por cá estivemos. Muito haveria há dizer em jeito de balanço, mas saimos de cena de forma discreta dando a palavra neste último artigo ao Presidente do "NOSSO" Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP) enquanto representante da Organização Profissional de Enfermeiros onde MAIOR NÚMERO de Enfermeiros se revê de forma voluntária.

A LUTA CONTINUA, o Enfermeirame acaba, mas nós por cá continuaremos para novos e inovadores desafios (como foi este).

Pois é caros colegas. Para quem pensava que os Enfermeiros saíam incólumes das reformas preconizadas para a Função Pública, aqui está a resposta.

 

O Governo enviou o projecto de alteração dos regimes especiais de aposentação para os Sindicatos.

 

Em resumo o que está previsto para os Enfermeiros é que se possam reformar quando tiverem 65 anos de idade e 40 anos de serviço.

 

Na página do SEP já se fala em greve que será marcada no dia 20 de Setembro.

 

Na página do SEC fala-se de concursos.

 

Na página do SE(n) fala-se de greve mas a de dia 29 de Junho.

 

Será que o projecto não foi enviado para todos os Sindicatos?

 

Estarão os Sindicatos divididos neste aspecto, ou irão marcar uma greve geral de Enfermeiros?

 

Porque não se referem os outros Sindicatos ao projecto?

 

E nós, Enfermeiros, vamos ficar indiferentes a tudo isto?

Segundo noticia hoje o Correio da Manhã e a SIC Online, a Inspecção Geral de Saúde passou a "pente fino" muitas das instituições de saúde em Portugal e os resultados não são nada animadores.

 

Falhas graves de segurança nas maternidades, clínicas de hemodiálise a funcionar sem condições e deficientes condições de higiene em alguns estabelecimentos.

 

Mas este relatório não fica por aqui e arrasa com a classe médica. Alguns exemplos daquilo que é referido no relatório:

- ausência de controlo no pagamento e cumprimento das horas extras programadas para os médicos;

- desorganização na forma de elaborar os horários dos médicos e falta de mecanismos de controlo do seu cumprimento;

- aumento do número de queixas sobre a assitência médica, sobretudo nos centros de saúde.

 

E os médicos continuam a ser os grandes protegidos e "amados" pelos organismos que tutelam a saúde em Portugal.

 

É cada vez mais urgente começarmos a assumir o nosso estatuto dentro das instituições de saúde.

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D